terça-feira, 21 de novembro de 2017

Cores da Amazónia

Uma a uma, as araras vão pousando ao longo do caminho que vamos trilhando. As cores vivas da sua plumagem "prendem" o olhar dos viajantes, mesmo dos mais distraídos... Os seus vôos são como pinceladas coloridas numa tela gigante em tons de verde! 









sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Viajar no Tempo

O tempo que passa não passa depressa.O que passa depressa é o tempo que passou.
Vergílio Ferreira

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Explosão de Cor

Recém-chegados à Amazónia estamos fascinados com a sua exuberância... Como observadores atentos registaremos tudo para, mais tarde, mostrarmos o que vivenciámos. 









sábado, 11 de novembro de 2017

Programa de Viagem


Santuário Verde

O imenso verde estende-se sem fim e abriga uma multiplicidade de seres... Vai ser este palpitar de vida incessante a nossa fonte de inspiração porque a Amazónia é um palco onde a cada minuto somos surpreendidos por fortes emoções.  Que promissora viagem...


terça-feira, 7 de novembro de 2017

Viagem com Alma: (En)Cantos da Amazónia

De mãos dadas com a Natureza...
Arrepia-nos o seu cheiro,
Deslumbra-nos a sua luz,
Espanta-nos as suas cores,
Embala-nos os seus sons,
Tranquiliza-nos a imensidão do seu espaço!




quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Viagem com Alma: Tempo de Bruxas

O dia da "Viagem" foi um dia de encontros...

Ouvindo Camille Saint-Saëns em "Dança Macabra" o espaço encheu-se de calor humano. O preto, o vermelho, o cor-de-laranja, o roxo e o branco foram as cores predominantes nas roupagens usadas por quase todos os convidados e que acentuaram  as cores da cenografia. 



Espaço interior da Exposição

































O primeiro encontro do dia
No primeiro encontro do dia, assistiu-se à chegada de várias personalidades convidadas: bruxas, vampiros, o Drácula! O momento foi pautado por boa disposição, alguns sustos... Iniciava-se desta forma a  Viagem com a mostra de trabalhos dos nossos artistas. O bar de apoio à exposição estava rico de iguarias e até havia bolos temáticos! Ao balcão do mesmo, a simpatia no atendimento apelava à nossa aproximação.
Estávamos todos muito radiantes pelo resultado conseguido.







































O segundo encontro do dia
Uma coruja piou continuamente, despertando a atenção de todos... Evocou-se Fernando Pessoa ao som do violino. Os convidados, concentrados na grande moldura dourada, viram surgir, um a um, os diferentes declamadores, mascarados a rigor.

"Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem achei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,"
(...)











O terceiro encontro do dia
Um pequeno concerto proporcionado pelos alunos do ensino articulado de música do 12.º F enriqueceu e "aqueceu" o ambiente da viagem. Escutados com muito interesse por todos os convidados foram, por fim, muito aplaudidos.




Um almoço especial








Espaço exterior da Exposição













Ao final do dia as luzes apagaram-se...
A viagem estava terminada.